Rio+20: análise do documento oficial

A superficialidade é a contrapartida da excessiva abrangência. Assim, parece inevitável que diante de tão grande quantidade de temas (água, mulheres, financiamento, governança, economia verde) o documento que os chefes de Estado reunidos para a Rio+20 têm sob os olhos só possa indicar, em cada assunto ao qual se volta, linhas genéricas.

Publicado no Jornal Folha de S. Paulo, 21 de junho de 2012. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/cotidiano/50055-lideres-tem-na-mao-um-texto-sem-narrativa-e-sem-alma.shtml

Líderes têm na mão um texto sem narrativa e sem alma

A superficialidade é a contrapartida da excessiva abrangência. Assim, parece inevitável que diante de tão grande quantidade de temas (água, mulheres, financiamento, governança, economia verde) o documento que os chefes de Estado reunidos para a Rio 20 têm sob os olhos só possa indicar, em cada assunto ao qual se volta, linhas genéricas.

Mas o problema do texto não é o excesso de temas. É a falta de narrativa. Na sua ausência, o resultado só pode ser esse: um conjunto sem alma, que reitera o compromisso com o passado, mas se mostra incapaz de colocar-se no caminho do futuro. Um melancólico reflexo da ausência de liderança global.

No cerne do que deveria e poderia ser esta narrativa estão os dois mais importantes online casinos desafios das sociedades contemporâneas. O primeiro é o combate à miséria absoluta.

O segundo desafio é que não é mais possível avançar na luta contra a pobreza se não houver redução das desigualdades.

A ONU, as grandes consultorias globais e ONGs produziram documentos recheados de diagnósticos e propostas para a Rio 20. O texto que os governantes têm em mãos não faz jus à riqueza deste extraordinário processo de mobilização. Mas ainda há um dia para que o jogo mude.

RICARDO ABRAMOVAY é professor titular da FEA/USP e autor de “Muito Além da Economia Verde”

0 Shares:
0 Share
0 Tweet
0 0 votes
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Talvez você goste

Repensar a economia. O desafio do século XXI.

“Não se trata de contestar o crescimento econômico por si só. Trata-se de fazer a pergunta que a ciência econômica habitualmente não faz: crescer para quê, para produzir o quê, para ter qual resultado na sociedade?”, questiona o professor titular do Curso de Economia da Universidade de São Paulo – USP.

Custos de uma política social necessária

Programas de crédito visando populações de baixa renda têm como objetivo central reduzir o que as ciências sociais contemporâneas têm chamado de assimetria de informação: em termos globais, ninguém ignora que os pequenos tomadores de empréstimos tendem a ser bons pagadores e que