Destravar a economia do conhecimento

Destravar a economia do conhecimento

Página22

A inovação tecnológica atual, longe de ampliar as oportunidades criativas das pessoas, tornou-se vetor de redução de salários e de concentração de riqueza

Sem aumento na produtividade do trabalho não há como compatibilizar o tamanho do sistema econômico com a preservação e a regeneração dos serviços ecossistêmicos dos quais todos dependemos. O problema é que, nos países que lideram as mais importantes inovações tecnológicas atuais, a produtividade do trabalho está praticamente estagnada. Entre o início dos anos 1990 e 2005 ela cresceu 2,4% ao ano, nos Estados Unidos e na Europa Ocidental. Na década seguinte, porém esta taxa caiu a 0,5%.

A recuperação econômica global da crise de 2008 é marcada por aumento dos empregos, mas por queda na produtividade, como mostra um trabalho recente da consultoria global McKinsey. Claro que ampliar os empregos é positivo. Esse aumento, porém, concentra-se hoje em ocupações com remuneração minguada e imensa distância entre as práticas produtivas dominantes e a economia do conhecimento.

As sociedades contemporâneas vivem uma espécie de dualização da vida econômica, em que um punhado de empresas (e de empregos) surfa na onda do que o Fórum Econômico Mundial chama de 4ª Revolução Industrial, enquanto a esmagadora maioria nem chega perto dessas inovações.

Essa é uma das mais preocupantes consequências dos rumos tomados pela atual economia do conhecimento. É verdade que cada um de nós tem um conjunto imenso e crescente de dispositivos digitais que fazem parte de nossas vidas, de nossas relações sociais, de nosso corpo e cada vez mais de nossa própria identidade. Mas esta difusão massiva é paradoxalmente concentrada quando se examina a oferta de bens e serviços e os mercados de trabalho.

A inovação tecnológica atual, longe de ampliar as oportunidades criativas das pessoas, tornou-se vetor de redução de salários e de concentração de riqueza. Pelos cálculos da McKinsey, na Europa Ocidental, somente 12% dos potenciais da revolução digital atingem a vida econômica. Nos Estados Unidos, a proporção é um pouco maior: 18%.

Roberto Mangabeira Unger, em livro a ser lançado ano que vem (e do qual uma primeira versão encontra-se disponível na internet), resume a questão: a economia do conhecimento, mesmo nas sociedades mais ricas e educadas tornou-se um arquipélago de ilhas alheias ao teor principal da vida econômica que as cerca.

Essa é a razão principal que explica a conversão da renda básica de cidadania em verdadeiro mantra do Vale do Silício: as oportunidades de participar da criação da imensa riqueza do mundo atual se reduzem e isso deveria ser compensado por meios institucionais que garantissem a todos, ao menos, sua sobrevivência.

Mangabeira Unger não se opõe, claro, a mecanismos de proteção dos mais pobres. O que ele critica é a ideia de que a concentração de renda, de poder e de oportunidades seja uma consequência natural das próprias tecnologias digitais.

Na verdade, a internet tende a suprimir aquilo que os economistas costumam enxergar como o inevitável trade-off entre equidade e eficiência. Ela abre o caminho para que meios técnicos radicalmente descentralizados, poderosos e operando em rede ofereçam possibilidades inéditas de invenção e criação de bens e serviços. Mas estas possibilidades só se realizarão se forem corrigidos os rumos atuais da economia do conhecimento.

Nosso desafio não está em remediar ex-post os produtos de uma estrutura econômica que reduz as chances de os indivíduos participarem de atividades criativas e socialmente úteis. O desafio maior está em fazer do combate às desigualdades o vetor fundamental para que as bases sociais da inovação se ampliem e, por aí, para que o sentido do crescimento econômico (e, em última análise, do próprio trabalho) se altere.

A ideia de que o trabalho é um fardo do qual nos emanciparemos tão logo a abundância o permita tem tanto em Marx como em Keynes alguns de seus principais defensores. Mas a economia do conhecimento abre a possibilidade, inédita, de que se estabeleça um vínculo orgânico entre a produção de riqueza e sua distribuição, que no capitalismo tipicamente industrial era inconcebível.

Esse vínculo apoia-se no que Mangabeira Unger chama de “vanguardismo inclusivo”, em que as mais avançadas tecnologias possam servir não apenas para ampliar a oferta de bens e serviços, mas sobretudo para converter em protagonistas a esmagadora maioria dos atores econômicos, as micro, pequenas e médias empresas e os próprios indivíduos.

Combater as desigualdades não é apenas um imperativo ético em torno de valores centrais como a liberdade, a autonomia e a dignidade humana. Este combate é também o meio mais promissor de estimular a inovação e colocar a economia do conhecimento a serviço do desenvolvimento sustentável.

http://pagina22.com.br/2018/10/11/destravar-economia-do-conhecimento/

0 Shares:
0 Share
0 Tweet
0 0 votes
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Talvez você goste

Componente socioambiental da reputação bancária

Duas características inéditas marcam o capitalismo do Século XXI. A primeira é a exposição voluntária das bases socioambientais em que se apoiam seus processos produtivos por parte de organizações empresariais. A segunda é que esse movimento de abertura dos fundamentos materiais, biológicos, energéticos e, em certa medida, sociais dos empreendimentos resulta de pressões vindas de atores que até bem pouco tempo quase não dialogavam com firmas privadas e sequer faziam delas o foco de sua ação.