Inovações para que se democratize o acesso à energia, sem ampliar as emissões

Ambiente & Sociedade – vol.17 no.3 São Paulo jul./set. 2014

ASOC_Extra_Ricardo_pg1-18_PORT (1)

RESUMO

O V relatório do IPCC (2014), em seu capítulo referente à Mitigação reconhece a permanência da desigualdade entre os países na ocupação do espaço carbono. Reverter esta desigualdade é, evidentemente, importante. Mas o foco estratégico do G77+China não pode ser este. O mais importante é criar as condições para que os extraordinários avanços recentes na capacidade de geração de energia elétrica de fontes renováveis e descentralizadas cheguem de maneira massiva aos países em desenvolvimento. Fortalecer as economias fósseis e construir hidrelétricas nocivas a ecossistemas preciosos e frágeis é perenizar um caminho de acesso à energia que, globalmente, está sendo superado. Para a América Latina, persistir neste caminho significa aprofundar a reprimarização de suas economias distanciando-as ainda mais da sociedade do conhecimento. A bolha de carbono, a depreciação dos ativos das empresas convencionais de energia, juntamente com o avanço exponencial na capacidade de geração descentralizada das renováveis abrem condições inéditas para que a democratização do acesso à energia, o avanço das inovações técnicas e sociais e o respeito aos limites ecossistêmicos estejam organicamente integrados. http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-753X2014000300002&lng=pt&nrm=iso

 

0 Shares:
0 Share
0 Tweet
0 0 votes
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Talvez você goste

Êxodo rural, envelhecimento e masculinização no Brasil : panorama dos últimos 50 anos

Texto para Discussão No 621 (janeiro de 1999) feito por Ana Amélia Camarano e Ricardo Abramovay para o IPEA. Texto para Discussão tem o objetivo de divulgar resultados de estudos desenvolvidos direta ou indiretamente pelo IPEA, bem como trabalhos considerados de relevância para disseminação pelo Instituto, para informar profissionais especializados e colher sugestões.

Moratória para os Cerrados

MORATÓRIA PARA OS CERRADOS - Elementos para uma estratégia de agricultura sustentável é um estudo de Ricardo Abramovay para o Consórcio Atech/Museu Emílio Goeldi AGENDA 21. São Paulo, fevereiro de 1999.