Para isso, para superar a cultura da repressão indiscriminada, foi necessário, claro, ampliar o uso da inteligência, da informação e da tecnologia. E o envolvimento pessoal e direto do governador com a execução da política é uma de suas peças mais importantes. É sob o seu comando que foram realizadas 14 conferências regionais de segurança pública, tanto na capital como no interior do Estado, que envolveram mais de 4.000 mil pessoas e que permitiram conhecer melhor as raízes da violência e, ao mesmo tempo, mobilizar os mais diversos atores no seu combate. Dentro da própria polícia, houve mecanismos financeiros de incentivo ligados à redução da violência, e não ao aumento da repressão.

É importante mencionar também a habilidade de Campos no combate à corrupção policial. Não são poucos os casos em que governos estaduais são complacentes com a relação promíscua entre polícia e crime. Enfrentar esse câncer e, ao mesmo tempo, difundir uma cultura de respeito à cidadania como base da atividade policial supõem, mais que eficiência, algo essencial e raro na política e do qual Campos era dotado: carisma.

Os resultados não são espetaculares, pois não se trata de um tema a ser resolvido por uma canetada ou um golpe de força. Mas, entre 2008 e 2011, as mortes por agressão no Brasil aumentaram de 50.113 para 52.198, segundo dados do Sistema Nacional de Estatística em Segurança Pública e Justiça Criminal. Em Pernambuco, caíram de 4.431 para 3.464. Um número elevadíssimo, mas que se contrapõe à explosão generalizada da violência, sobretudo nos Estados mais pobres do país.

A geneticista Mayana Zatz tuitou que Eduardo Campos foi um excelente ministro da Ciência e Tecnologia, tendo apoiado as pesquisas com células-tronco embrionárias. É mais uma demonstração do valor fundamental que norteou a trajetória de Campos e que deve inspirar todos os brasileiros: o respeito pelos direitos das pessoas, pela vida. Ele nos pediria, certamente, a capacidade de transformar a tristeza e a perplexidade que tomam conta do Brasil agora em capacidade de lutar pela vida.

RICARDO ABRAMOVAY, 61, é professor titular do Departamento de Economia da Universidade de São Paulo e coautor de “Lixo Zero” (ed. Planeta Sustentável/Abril)

Compartilhar com amigos
  • gplus
  • pinterest

Postar um comentário